Papa reflete sobre os medos e o perigo de desperdiçar a vida

03 de julho de 2023, segunda Papa reflete sobre os medos e o perigo de desperdiçar a vida

Dirigindo-se a cerca de 20.000 pessoas reunidas na Praça de São Pedro para recitar a oração mariana do Angelus , o Papa Francisco fez o seu tradicional discurso dominical, centrado no Evangelho deste domingo, junho 25.

Aqui está seu discurso, traduzido do original italiano para o inglês pela Santa Sé.

* * *

No Evangelho de hoje, Jesus repete aos Seus discípulos três vezes: “Não temais” ( Mateus 10:26, 28, 31). Pouco antes disso, Ele havia falado com eles sobre as perseguições que teriam de sofrer pelo Evangelho, fato que ainda é uma realidade. Com efeito, desde o seu início a Igreja experimentou, juntamente com as alegrias — muitas das quais teve — muitas perseguições. Parece paradoxal: o anúncio do Reino de Deus é uma mensagem de paz e de justiça, fundada na caridade fraterna e no perdão; e, no entanto, encontra oposição, violência, perseguição .

Jesus , porém, diz para não temer, não porque tudo ficará bem no mundo, não, mas porque somos preciosos para seu Pai e nada do que é bom se perderá. Ele, portanto, nos diz para não deixar o medo nos bloquear, mas sim temer uma outra coisa, apenas uma. Qual é a coisa que Jesus nos diz que devemos temer?

Descobrimos o que é através de uma imagem que Jesus usa hoje: a imagem da “Geena” (cf. v. 28). O vale da “Geena” era um lugar que os habitantes de Jerusalém conheciam bem. Era o grande depósito de lixo da cidade. Jesus fala disso para dizer que o verdadeiro medo que devemos ter é o de jogar fora a própria vida. Jesus diz: “Sim, tenha medo disso”. Era como dizer: não é preciso ter tanto medo de sofrer incompreensões e críticas, de perder prestígio e vantagens econômicas para permanecer fiel ao Evangelho, não, mas desperdiçar sua existência na busca de coisas triviais que não preenchem vida com significado .


ÂNGELUS
Angelus Do Papa Francisco. Foto: Mídia Do Vaticano

A partir do Evangelho de hoje, o Papa reflete sobre os medos e o perigo de desperdiçar a vida
Discurso por ocasião da oração do Ângelus de domingo, 25 de junho de 2023.

25 DE JUNHO DE 2023 00:32 PESSOAL ZENIT ANGELUS
WhatsappMensageiroFacebookTwitterCompartilhar
Compartilhar esta entrada
(ZENIT News / Cidade do Vaticano, 25.06.2023).- Dirigindo-se a cerca de 20.000 pessoas reunidas na Praça de São Pedro para recitar a oração mariana do Angelus , o Papa Francisco fez o seu tradicional discurso dominical, centrado no Evangelho deste domingo, junho 25.

Aqui está seu discurso, traduzido do original italiano para o inglês pela Santa Sé.

* * *

No Evangelho de hoje, Jesus repete aos Seus discípulos três vezes: “Não temais” ( Mateus 10:26, 28, 31). Pouco antes disso, Ele havia falado com eles sobre as perseguições que teriam de sofrer pelo Evangelho, fato que ainda é uma realidade. Com efeito, desde o seu início a Igreja experimentou, juntamente com as alegrias — muitas das quais teve — muitas perseguições. Parece paradoxal: o anúncio do Reino de Deus é uma mensagem de paz e de justiça, fundada na caridade fraterna e no perdão; e, no entanto, encontra oposição, violência, perseguição .



Jesus , porém, diz para não temer, não porque tudo ficará bem no mundo, não, mas porque somos preciosos para seu Pai e nada do que é bom se perderá. Ele, portanto, nos diz para não deixar o medo nos bloquear, mas sim temer uma outra coisa, apenas uma. Qual é a coisa que Jesus nos diz que devemos temer?

Descobrimos o que é através de uma imagem que Jesus usa hoje: a imagem da “Geena” (cf. v. 28). O vale da “Geena” era um lugar que os habitantes de Jerusalém conheciam bem. Era o grande depósito de lixo da cidade. Jesus fala disso para dizer que o verdadeiro medo que devemos ter é o de jogar fora a própria vida. Jesus diz: “Sim, tenha medo disso”. Era como dizer: não é preciso ter tanto medo de sofrer incompreensões e críticas, de perder prestígio e vantagens econômicas para permanecer fiel ao Evangelho, não, mas desperdiçar sua existência na busca de coisas triviais que não preenchem vida com significado .



Isso é importante para nós hoje. Ainda hoje, de fato, alguns são ridicularizados ou discriminados por não seguirem certos modismos, que, no entanto, colocam no centro realidades de segunda categoria — por exemplo, ir atrás de coisas em vez de pessoas, de conquistas em vez de relacionamentos. Vamos dar um exemplo: estou pensando em alguns pais que precisam trabalhar para manter a família, mas que não podem viver só para o trabalho — precisam de tempo suficiente para estar com os filhos. Penso também em um padre ou uma Irmã que precisa se dedicar ao seu serviço, sem, no entanto, esquecer de dedicar tempo para estar com Jesus, caso contrário, cairá na mundanidade espiritual e perderá o sentido de quem é. E, novamente, estou pensando em um jovem ou uma jovem que tem milhares de compromissos e paixões — escola, esportes, interesses diversos, celulares e redes sociais — mas que precisa conhecer pessoas e realizar grandes sonhos, sem perder tempo com coisas passageiras que não deixam sua marca.

Tudo isto, irmãos e irmãs, exige alguma renúncia aos ídolos da eficiência e do consumismo. Mas isso é necessário para não se perder em coisas que acabam sendo jogadas fora, como antigamente jogavam na Gehenna. E as pessoas muitas vezes acabam na Gehenna de hoje, em vez disso. Pensemos, nos mínimos que muitas vezes são tratados como lixo e objetos indesejados. Há um custo para permanecer fiel ao que conta. O custo é ir contra a maré, o custo é livrar-se do condicionamento da opinião popular, o custo é separar-se de quem “segue a corrente”. Mas não importa, diz Jesus. O que importa é não jogar fora o bem maior: a vida. Esta é a única coisa que deve nos assustar.

Então, perguntemo-nos: eu, o que temo? Não ter o que eu gosto? Não atingir as metas que a sociedade impõe? O julgamento dos outros? Ou melhor, de não agradar ao Senhor e de não colocar o Seu Evangelho em primeiro lugar? Maria, sempre Virgem, Mãe sábia, ajuda-nos a ser sábios e corajosos nas escolhas que fazemos.